Anedota: O telefonema

Um homem liga para casa depois de mais um dia de trabalho para saber o que é o jantar.
– Estou? – diz uma vozinha de criança.

– Olá, querida, é o Papá, a Mamã está perto do telefone?

– Não, Papá. Ela está lá em cima no quarto com o tio Nando.

Depois de alguns segundos, o tipo diz:
– Mas querida, não tens nenhum tio chamado Nando!

– Tenho sim! E ele está lá em cima no quarto com a Mamã.

– Está bem, então. Quero que faças o seguinte: Sobe a correr as escadas, bate na porta do quarto e grita para a Mamã e para o tio Nando que o meu carro acabou de parar em frente a casa.

– Está bem, Papá.

Alguns minutos depois, volta a miúda:
– Bem, eu fiz o que me disseste, Papá.

– E então?

– Bem, a Mamã pulou da cama nυa e começou a correr pelo quarto a gritar, tropeçou no tapete e caiu pelas escadas abaixo…

– Oh, meu Deus! E o Tio Nando?

– Ele saltou da cama nυ e estava muito assustado. Então pulou pela janela do fundo para dentro da piscina, mas ele deve ter-se esquecido que tinhas esvaziado a piscina na semana passada para limpar, e bateu com a cabeça no fundo da piscina, e não me parece estar nada bem…

Uma longa pausa e o homem diz:
– Piscina? Por acaso o telefone daí é 35550739?

– Não.

– Tu não és a Vanessinha?

– Não.

– Ah! Desculpa, foi engano…