Canibais descrevem o sabor da carne humana

Há um lugar especial reservado para os canibais: estes indivíduos monstruosos e estranhos são normalmente relegados para os cantos escuros das prisões ou para as páginas mais obscuras dos livros de história.

Ao longo do tempo já ouvimos de histórias de pessoas que gostavam da carne humana e que não se importavam de matar para comer mas é aí que surge a mórbida questão: a que é que a carne humana sabe?

Pois bem, houve canibais a responder a isso…

Albert Fish era conhecido por muitos nomes: The Gray Man, Werewolf of Wysteria, The Brooklyn Vampire, Moon Maniac e até por Boogey Man, de acordo com o que reporta o Ranker.

Albert era um canibal e um verdadeiro criminoso que comia, violava e comia – literalmente – as suas vítimas para gratificação sexual. Ele matou Billy Gaffney, de 4 anos de idade, Grace Budd, de 10, e Francis McDonnel, de 8…

Em relação à sua última vítima, Francis, ele escreveu:

“Os seus dedinhos eram muito bons pois tinham alguma gordura e ficava muito bom feito no forno. Fiz um estufado com as suas orelhas, nariz, partes da cara e barriga. Com cenoura, cebola, nabo, sal e pimenta. Ficou muito bom.

Depois, abri as bochechas dele ao meio para lavar tudo. Coloquei bacon entre cada uma delas e levei ao forno. Depois peguei em 4 cebolas e quando a carne acabou de cozinhar, meti um pouco de água na carne e adicionei-as.

A carne era suculenta, muito muito boa. Em duas horas ficava bem cozinhada, rosadinha. Nunca comi nenhum assado que ficasse tão bom como umas bochechinhas. Aquele pequenino era doce como tudo…”

Perturbador. Muito perturbador…