Estudante tem cabeça a prémio após ter morto mais de 100 militantes do Estado Islâmico

Chama-se Joanna Palani, tem 23 anos de idade e a cabeça a prémio com uma recompensa no valor de 750 mil euros. Tudo isto por, alegadamente, ter tratado da saúde a mais de 100 militantes do Estado Islâmico.

Aparentemente ela disparou a sua primeira arma com apenas 9 anos de idade e hoje é uma verdadeira sniper. Joanna afirma ter orgulho nas suas capacidades e até já está a passar os seus conhecimentos a curdos, muitos deles vítimas de violação.

As vítimas estão mesmo a ser ensinadas por ela e, de acordo com ela, “são muito mais bravos do que eu era quando tinha a idade deles”, disse à Broadly.

Ela estudou política em Copenhaga, mas decidiu abandonar os estudos para defrontar o Estado Islâmico, seguindo as pisadas do seu pai para se tornar uma peshmerga.

No entanto, quando retornou à Dinamarca para visitar a sua família, viu o seu passaporte ser confiscado pelas autoridades dinamarquesas, sendo que agora pode mesmo ser presa e ficar assim incapacitada de voltar ao combate.

“Estou disposta a dar a minha vida e a minha liberdade para impedir o Estado Islâmico de avançar, para que todos na Europa possam estar em segurança”, disse à Broadly. “Ainda assim, parece que sou vista como uma terrorista no meu próprio país”, rematou.

“Sou uma curda na Europa. A maior parte dos meus valores morais e crenças são europeus. Não podia viver no Curdistão por mais de 1-2 anos, não é confortável para uma mulher como eu”.

Agora, já em Copenhaga, ela vai prosseguir os estudos mas quer voltar à carga contra os extremistas!