Mulher é embalsamada viva durante cirurgia

Ekaterina Fedyaeva, de 27 anos, estava a ser submetida, no mês passado, a uma cirurgia simples (não especificada) num hospital em Ulyanovsk (Rússia), quando um erro médico a levou à morte. A equipa que operava a jovem injetou no corpo da paciente uma solução à base de formaldeído (formol) em vez de uma solução salina.

O procedimento equivaleu a embalsamar o corpo de Ekaterina viva. Ele é geralmente utilizado para previnir a decomposição de cadáveres.

“Isto foi homicídio”, disse Galina Baryshnikova, mãe de Ekaterina, de acordo com o “Sun”.

A paciente chegou a ter alta. Só que, com convulsões e dores fortíssimas, Ekaterina foi levada a um hospital em Moscovo (Rússia), onde entrou em coma e faleceu, com falência múltipla de órgãos.

“Ela teve convulsões, o corpo todo tremia. Mal posso descrever aquilo”, desabafou Galina.

“As pessoas que fizeram a cirurgia já sabiam que tinha injectado algo errado. Eles precisavam adoptar medidas urgentes, mas não fizeram nada”, acusou a mãe da vítima.

Ekaterina foi enterrada no sábado (7/4). O caso está a ser investigado pela polícia.