Rato de laboratório “filho da p*ta” está a estragar estudo científico

Os investigadores em Harvard estão incrivelmente irritados com um rato de laboratório que eles descrevem como “um verdadeiro cabrãozinho”.

Eis as palavras de Dr. Stu Macho, um dos investigadores a trabalhar num estudo científico:

“Estamos a tentar perceber como é que a obesidade tem impacto em algumas funções cerebrais. Para isso, juntámos um grupo de ratos de laboratório e começámos a observá-los. Depois, este cabrãozote, cujo nome é #42, começou a comer imenso. Ele ficou super gordo e começava a andar para as paredes da gaiola que nem um parvo quando o tentávamos observar. Depois, à noite, voltava a agir super normalmente. Está a impedir-nos mesmo de recolher informação.”

Alegadamente, não é a primeira vez que o #42 estraga uma investigação. Dr. Macho explica:

“Uma vez, fiz uma experiência para testar se o cheiro dos gatos era ameaçador para os ratos. Dávamos-lhe uma guloseima sempre que eles tocavam num grande botão vermelho e depois pulverizávamos um pouco de cheiro de gato nele. Literalmente todos os ratos tinham medo de tocar no botão vermelho, menos o #42. Ele tocava no botão e depois estendia as patas para receber a guloseima. A informação obtida dele estragou a minha tese inteira”.

Dr. Macho acredita que o comportamento do animal é intencional e que o #42 faz de propósito para o chatear: “Já o apanhei a rir-se para mim uma vez quando estava a tentar obter dados que ele mais tarde ia arruinar. Acreditem, quando um rato se ri de vocês, vocês percebem”.

Quando lhe perguntaram porque é que ele não trocava o #42 por outro rato mais “tranquilo”, ele explicou que não se pode utilizar um número infinito de ratos de laboratório porque, se pedires demasiados, começam a pensar que és maluco.

Muito complicada esta situação…

Fonte: Above Average