Diretora de hospital cai do 5º andar durante discussão sobre coronavírus

A médica e diretora de um hospital para veteranos de guerra na região de Krasnoyarsk (Sibéria, Rússia) caiu do 5º andar de um prédio no centro médico durante uma acesa discussão sobre coronavírus com o ministro regional da Saúde, com quem estava reunida em videoconferência, no passado sábado (25/4). Yelena Nepomnyashchaya, de 47 anos, manifestou-se contra a transferência de pacientes com Covid-19 para o seu hospital alegando não ter EPI’s para os profissionais da Saúde e formação adequada. O ministro Boris Nemik exigiu 80 camas destinadas a pacientes com a doença.

De acordo com o “Moscow Times”, Yelena, que é casada e tem dois filhos, encontra-se em estado crítico. A polícia investiga se a queda foi acidental ou se existe crime. Aleksey Podkorytov, vice-chefe do governo de Krasnoyarsk disse que “há várias maneiras de explicar o incidente”.

“Muitas coisas podem ter acontecido”, disse ele à emissora TVK Krasnoyarsk, não descartando que Yelena estivesse sob intenso stress.

Uma fonte disse ao jornal “Novaya Gazeta” ter estranhado a queda, já que todo o sector administrativo fica no 2º andar do prédio.

“Visitei esse hospital mais do que uma vez. Todas as salas da administração, incluindo a sala da diretora ficam no segundo andar. Então essa história de que a diretora caiu da sua sala é uma mentira”, afirmou.

Activistas classificaram a queda como “misteriosa” e citaram casos de dissidentes de Moscovo que caíram de prédios sem explicação. O caso mais recente foi o do jornalista Maxim Borodin, de 32 anos, que caiu do quarto andar de um prédio quando investigava as relações entre a Rússia e a Síria.

“Mais uma queda misteriosa na Rússia”, escreveu no Twitter Matthew Luxmoore, correspondente em Moscovo da Radio Free Europe, comentando sobre o incidente de Yelena.

Fonte: DailyMail